Quinze Passos

​Como pude terminar onde comecei?Como pude terminar onde errei? Não tirarei meus olhos da bola novamente

Você continua a me enrolar e depois corta o fio
Você costumava ser legal

O que aconteceu?

O gato comeu sua língua?

Seu fio desenrolou?

Um por um

Um por um
Você costumava ser legal

O que aconteceu?

Etcetera, etcetera

Fatos para o que quer que seja

Quinze passos

E então um precipício.
– Radiohead

A Flor do Mal

Não vivi nenhum grande desastre em minha vida. Nenhuma guerra, nenhum acidente, nenhuma morte.. 

Em contrapartida as coisas boas se acumulam de forma muito peculiar. Pequenas conquistas, uma após a outra, como a poeira que se acumula sobre velhos móveis.

A cada passo, a comparação com o outro é inevitável: sempre me encontro atrasado.

Pessoas tristes, mas cheias de conquistas são melhores pelo que conquistaram; pessoas felizes sem ter nada são melhores porque são felizes; pessoas infelizes e sem conquistas são melhores porque tem um propósito; e pessoas sem propósito são melhores porque continuam vivendo mesmo sem um motivo.

Me encaixo em alguns desses padrões. (Em todos na verdade) sempre na comparação com o outro. Não existe ninguém mais triste, e também não existe ninguém mais feliz. Ninguém conseguiu tanto com tão pouco, e ninguém deixou passar tantas oportunidades.

Minha vida é a régua com a qual eu meço o mundo. Minha alma é o espelho embaçado que deforma minha visão. Meu ego me força a olhar ao redor e só enxergar o que gira a minha volta. É o meu rosto que procuro na multidão, e minha solidão é a solidão do mundo. 

No entanto, ninguém se compadece. Nem mesmo eu. 

Nem eu me importo mais.